invitation
Saudações, visitante! Neste momento, você se encontra no Hishoku no Sora, um blog pessoal sem fins lucrativos. Aqui se fala de tudo um pouco, então fique à vontade!
A versão atual é inspirada no filme Corpse Bride, de Tim Burton - estrelando a protagonista Emily ♥

something blue
Kawasumi Shana, 24 anos e contando +1 todo dia 7 de fevereiro - logo, sou toda aquariana. Adoro música, mangás, animes, filmes e livros. Odeio insetos, injeções e filmes de terror, sou criativa e contraditória, possivelmente tenho um parafuso a menos - mas juro que sou legal. Ou não. more?

something borrowed


Follow

something new

something old

you may kiss

 
Hishoku no Sora
Google Chrome | 1366x768
Dia das Bruxas: Cuca, a bruxa brasileira


Saudações, jovens almas inocentes! Venho em nome dos espíritos malignos desejar-lhes um dia sombrio, um Feliz Halloween! Espero que já tenham passado por baixo de muitas escadas e cruzado o caminho de muitos gatos pretos, pois essa é a magia do nosso dia! E não se esqueçam de dormir com as janelas abertas, pois à meia-noite as mais tenebrosas bruxas lhes pagarão uma adorável visita ♥
Como hoje é um dos meus dias favoritos no ano, estamos em clima de festa e, portanto, teremos o post especial de Halloween mais uma vez ♥ Porque mesmo que os brasileiros não vistam as fantasias e saiam pelas ruas a comemorar, a magia rola solta na minha cabecinha de Bruxa, há! Preparados para mais uma história tenebrosa?

No ano passado, eu contei a vocês a origem do Halloween e de alguns costumes praticados nessa época, como a caça aos doces e as fantasias. No Brasil, dia 31 de Outubro tem sido concebido como Dia do Saci, uma criatura mitológica do folclore brasileiro. Pensando nisso, como nós temos por aqui muitas lendas (embora comemoremos o Folclore em 22 de Agosto) eu decidi falar um pouco da nossa "bruxa", aproveitando a temática de hoje. 
Se na Europa/EUA as pessoas têm as bruxas de chapéu pontudo e vassoura voadora, aqui no Brasil a gente tem a Cuca. Todo mundo já deve ter ouvido falar, principalmente naquela cantiga de ninar que - sabe-se lá como - embalava nosso sono na infância: Nana-neném que a Cuca vem pegar.
A cantiga deriva justamente da Lenda da Cuca, descrita como uma velha feia e maldosa que rouba as crianças desobedientes de suas famílias - daí a ideia de que, se você não dormir quando a mamãe mandar, é bom correr da Cuca.
A lenda da Cuca provavelmente se originou de uma lenda portuguesa, segundo o Wikipedia, sobre uma espécie de dragão chamado "Coca". A história veio pra cá na época da colonização, e se espalhou em algumas partes do Brasil como essa velha feia e má, com roupas rasgadas. Mas foi nas histórias do Monteiro Lobato, um dos mais famosos escritores brasileiros de literatura infanto-juvenil, que a Cuca passou a ser retratada como se fosse uma mulher-jacaré de longos cabelos louros, e por conta da popularidade dessas histórias (tem algum brasileiro que não conhece Sítio do Pica-Pau Amarelo?), a imagem da dela ficou enraizada dessa forma. Nessa fantasia, a Cuca é uma bruxa que mora em uma caverna da floresta, onde fica fazendo poções mágicas, e conta sempre com a ajuda do Saci Pererê pra realizar seus planos malignos. Ou seja: na lenda ou nos livros, o negócio é correr da Cuca mesmo!

Fontes: Wikipedia, SuaPesquisa


E aí, o que acharam? Conheciam a Cuca? Sabiam de onde tinha vindo? Particularmente fiquei bem chocada em saber que ela é originária de uma lenda portuguesa - no fundo, na minha cabecinha inocente, era uma criação do Lobato mesmo que acabou por cair na crença popular, mas ora vejam só. Mas é claaaro que uma bichana feia dessas, com cara de jacaré e com um cabelo necessitando uma progressiva urgente, só podia ser criação nossa mesmo, hahaha! 
Ficamos por aqui, jovens espíritos amaldiçoados! Que os gritos dos mortos lhes assombrem à noite, que as almas penadas puxem seus pés que e, por fim, que tenham um terrível Dia das Bruxas pela frente! Espero que encontrem muitas assombrações em seus caminhos hoje! ♥
Que as Forças das Trevas encontrem vocês.

Marcadores: , ,


By Shana • sexta-feira, 31 de outubro de 2014 • 5 ComentáriosLink to this post

Entrando no clima do Halloween
Saudações, meus caros leitores! Espero que tenham conseguido ver a semana de vocês passar, porque a minha se foi e eu nem vi.
Meu final de semestre está aqui, agora, pairando a minha cabeça, e ele não me dá autorização pra fazer mais nada: comer, dormir, viver, essas coisas aí que seres humanos geralmente fazem. Tanto é que eu nem pude fazer layout de halloween pro blog - e olha que esse ano eu estava querendo muito fazer. Daí eu apelei pra decoração de halloween mesmo - já que não tenho como decorar minha casa, vai no blog mesmo, que pelo menos eu fico feliz.
Minha intenção a princípio era trazer alguma receitinha doce e gostosinha de halloween, pra já irmos entrando no clima - já que é semana que vem, yay! Mas como eu não tive tempo, nem rolou - na verdade, eu tô cabulando meus estudos nesse exato instante, porque ainda tenho 12 textos pra ler, um livro, um fichamento e um trabalho pra corrigir, tudo pra ontem. Isso sem contar dois congressos em que vou apresentar trabalho e nem comecei a me preparar ainda, e um é quarto agora. x_x Vida não existe, é só ilusão, eu tô falando pra vocês.
Mas, como nem tudo é terrorismo por aqui, ontem eu estava no meu momento "relaxar por 5 minutos ou não aguento o próximo parágrafo" e me deparei com um vídeo super bacana, com uma receita super fácil de fazer - talvez trabalhosa, mas é baratinha e "fácil de fazer" - pra vocês entrarem no clima do Halloween, que continua sendo minha data preferida do ano (logo depois do natal ou junto do natal, eu não sei mais).


Sucesso, não? Espero que vocês gostem e tenham tempo de testar, porque eu não terei ç_ç No máximo vou correr na lojinha de doces, comprar uma abóbora de plástico e enfiar balinha nela, pra dizer que comemorei o halloween. Sniff.
Mas é isso aí. O negócio agora é correr e estudar até não haver mais amanhã - literalmente falando, já que provavelmente viro a noite estudando, ahaha. Beijinhos a todos, e até a próxima, leitores! o/ 

Marcadores: , ,


By Shana • sábado, 25 de outubro de 2014 • 4 ComentáriosLink to this post

Meme: Know Your Blogger

Cara, nem chegou o verão ainda, e minha cidade tá batendo os 40ºC num dia ~~agradável~~. O que que é? É punição divina, é castigo de Odin, é praga do Capiroto? Olha, vou dizer o seguinte, assim não tenho condições, então por favor: qualquer dos três que esteja de zoeira, apenas pare.
Desabafo à parte, queria agradecer a todo mundo que me consolou no post anterior, haha! Estava mesmo precisando de um pouquinho de amor, já que a faculdade não quer me amar nem um pouco. Só espero que ela saiba que a recíproca é verdadeira, e eu não tô nem aí pra ela também. Hunf!
Mas hoje o negócio é o seguinte: a Thay, essa menina linda, puro amor, que eu adoro, me indicou pra um meme ligeiro, e como eu ando sem tempo, vida, amor e ATPs pra qualquer coisa, resolvi respondê-lo pra dar uma relaxada. Tô precisando relaxar. Mais especificamente, tô precisando relaxar com uma passagem só de ida pro Caribe na minha mão, 2bjos.

REGRAS
• Dizer 11 fatos sobre mim
• Responder 11 perguntas
• Criar 11 perguntas e indicar 11 blogs para respondê-las

11 fatos sobre mim
1. eu tenho uns gostos meio infantis. Pra tudo: comida, perfume, roupa. Uma vez tava olhando uns acessório de cabelo bonitinhos e minha amiga me disse "Bia, estamos na seção infantil". Frustradíssima.
2. quando eu gosto de uma música eu fico ouvindo-a no replay por dias, semanas, meses, até enjoar. E não consigo ouvir outra enquanto não enjoar dessa.
3. Eu tenho entre 1,58-1,60 de altura.
4. Mas eu calço 39. Um colega uma vez me disse que eu sou "um L".
5. Eu entendo inglês praticamente fluente, mas eu nunca treinei pronúncia e tenho vergonha de falar. Mas sim, eu entendo mesmo. Daora né?
6. Pra acordar 100%, eu preciso de 9 horas de sono. Mas pra sobreviver, eu preciso no mínimo de 5h.
7. Eu tenho um romance empacado desde meados de 2008. Comecei a escrever pra melhorar meu português, tenho todo o storyline na cabeça prontinho, mas na hora de digitar acho que fica tosco, e aí nunca consigo terminar.
8. Fazer layouts/html é terapêutico pra mim. Fico muito mais cala, feliz e satisfeita comigo mesma quando termino um.
9. Sou mão de vaca pra caramba. Pra caramba mesmo.
10. Eu quero ser psicóloga desde os 12 anos, adoro meu curso, mas não lembro porque escolhi ele. Não sabia nem o quê um psicólogo fazia quando eu tinha 12 anos! o_o
11. Quando eu tropeço - o que acontece com frequência - eu geralmente tento manter o equilíbrio pra não cair. Nos olhos das pessoas normais, significa que eu faço poses estranhas.


11 perguntas da Thay
1. Qual foi a última música que você escutou? Coloque o vídeo!
Agora, fazendo o meme, estou ouvindo Bad Girl do Ladies' Code - que infelizmente eu vim a conhecer por causa do acidente que sofreram, e acabei me apaixonando. Trágico, né?

2. Se tivesse que escolher apenas um prato para comer o resto da vida, o que seria?
Queijo. Queijo qualho de preferência.

3. Quais os livros que mais ama e mais detesta?
Livros do André Vianco, porque todos me tocam, me fascinam e eu não teria como escolher um só. Adoro a escrita dele, as histórias, a forma de narrar, ai, tudo mesmo. Mas eu destaco Os Sete e Sétimo, porque PQP eles são incríveis.

4. Uma palavra que te defina.
Aquariana. Hahaha!

5. Sente saudades de que?
De quando o Natal era na minha casa, organizado pela mamãe, e ela fazia tudo com amor, feliz e contente. De sentar com a mamãe no sofá, já na adolescência, e assistir vários filmes de uma vez. Atualmente, eu sinto muita falta da minha mãe num geral.

6. Não consegue viver sem.
Fones de ouvido. Eu descobri que mais do que ter música nessa vida, é preciso fones de ouvido descentes pra desfrutá-la, e eu fico de mau-humor só de me dar conta que eles não estão comigo. 

7. Conte qual foi o momento mais constrangedor da sua vida – e com detalhes!
Quando eu estava com 16 anos, no primeiro dia de aula do 2º ano do ensino médio, eu ainda não conhecia muita gente na escola. Quando minha mãe me disse o número da minha sala - que tinham passado na reunião do dia anterior - eu subi direto pra lá e nem olhei as listas que estavam na entrada, pra evitar o vuco-vuco. Quando a professora entrou e fez chamada, meu nome nem na lista estava - estranhei, mas como era só meu segundo ano naquela escola, poderia ter tido algum problema de papelada. Quando ela pediu pra pegar o livro literário que veio com nosso material, o meu era diferente. Daí ela me perguntou "Mas poxa, de qual oitava você é?", e eu só olhei pra ela e disse "Mas eu sou do segundo ano..."
Pra encurtar: naquele dia a coordenação trocou a ordem das salas, e as do ensino médio tinham sido jogadas pro corredor de baixo. Como eu conhecia pouca gente na escola, não estranhei que não tinha nenhum rosto conhecido na turma. Quem foi olhar as listas na entrada tinha visto os números certos, mas eu estava com o trocado, e fui parar na sala errada. Depois disso a coordenadora teve que rodar comigo um tempão até descobrirmos onde minha sala tinha ido parar. Mas como ela era super legal, quando entramos ela disse que eu tive que resolver uns problemas com ela e por isso estava atrasada. Depois meus colegas me disseram que, nesse dia, como eu entrei, sentei e não olhei pra ninguém, eles acharam que eu tinha algum tipo de distúrbio -qqq
Bom, foi só o que eu consegui lembrar. Outros momentos eu me senti constrangida depois, com o passar dos anos, quando me dei conta das merdas que fazia quando mais nova. XD

8. Filme que você assiste 39 vezes seguidas e nunca se cansa.
You've got Mail. Eu sou apaixonada por esse filme, estrelado pela Meg Ryan e pelo Tom Hanks. Gente, sério, é amor puro!

9. Vampiros ou lobisomens?
VAMPIROS, SEMPRE.

10. Escolheria amor ou dinheiro?
Depende. Se no momento eu quiser ser amada, quero amor. Se no momento estiver de boinha e precisar de grana, dinheiro. Hahaha!

11. Se tivesse direito a apenas uma viagem na vida, para onde iria?
Eu honestamente não sei. Mas eu ia querer ir num lugar calmo e bonito, ou numa cidade com luzes de Natal pra eu sentar na janela e ficar olhando. E nem pensei num hotel bonito, pensei num sobrado de madeira mesmo, com sótão, e eu ia sentar na beirada da janela e ficar olhando as luzes e as pessoas passando.


11 perguntas da Shana
1. Quando foi a última vez que você se perguntou "o que diabos tô fazendo aqui"?
2. Você tem R$ 100,00. O que vai fazer com isso?
3. Existe alguma frase que alguém tenha te falado e te marcou?
4. Se você pudesse escolher um quadro pra entrar nele, qual seria? Poste uma imagem!
5. Tem algo que você queria muito mudar em si mesmo, mas não consegue?
6. Qual o último lugar que você esteve, antes de responder esse meme? 
7. E onde você está agora?
8. Você foi dormir na sua cama e, quando acordou, estava em um bote, boiando no meio do oceano. Qual a primeira coisa que você pensa?
9. Qual foi o último SMS que você recebeu? Poste o texto!
10. Sith ou Jedi?
11. Pegue um livro e abra na página 22. Qual a primeira frase completa?


11 Indicados
AkemiLysMCTenieVickHannah MilaMônicaKamii •  MitsuBru-chanSnow



Esse meme é comprido e até parece trabalhoso, mas é tão gostosinho responder as perguntas que a gente nem desanima! Obviamente, as perguntas da Thay são bem mais legalzinhas que as minhas, hahaha! Mas poxa, eu estou num estado de pós-greve num calor de 40 graus, me poupem. A propósito, ninguém é obrigado a responder, mas, caso queiram, não esqueçam de me avisar pra eu ver as respostas de vocês! ♥
Antes de ir, eu lembrei de uma coisa bem aleatória: agora o Hishoku tem uma página no facebook. Fiz isso porque, quando posto, eu costumo avisar na minha timeline, mas achei que ia ser mais sucesso fazer uma página. Então, quem gosta desse tipo de serviço, fica à vontade pra usar - eu prometo tentar lembrar da existência dela, ok? Hahaha! Ela é simples, mas é cheia de amor!
Por fim, eu fico aqui. Beijos a todos, queridos leitores, e até a próxima!


Marcadores: ,


By Shana • quarta-feira, 15 de outubro de 2014 • 8 ComentáriosLink to this post

Hipocrisia deveria ter limite
Saiu o calendário pós-greve da minha faculdade hoje.


Você fica três meses de greve. Três meses sem poder ir pra casa, mas também sem ter algo realmente útil pra fazer na cidade na qual estuda, porque uma vez na semana tem projeto de IC pra tocar. O Movimento Estudantil apoia a greve clamando por melhores condições de ensino. Quando os professores - e até onde entendi, somente eles - são atendidos, pulam fora da greve, e os funcionários resolvem pular fora também. A greve estudantil entra em discussão. Seus ilustres colegas votam pra voltar a greve antes mesmo de ter um calendário formado. Voltamos da greve do dia pra noite, sem calendário, sem preparação, sem nada. Daí o calendário novo sai e eu me deparo com essa palhaçada.
Galera, numa boa. O que vocês querem na faculdade? Diploma? No centro de SP todo mundo sabe que eles vendem. Sabemos que algumas "faculdades" aí também "vendem" seus diplomas. Por que diabos vocês deram-se ao trabalho de prestar vestibular numa faculdade estadual, se não querem uma graduação minimamente decente?


Moral da história da minha vida no presente momento: sem tempo pra viver. Não vou ter férias - e, ainda assim, também não vou ter matéria, olha que maravilha, porque cortaram mais uma semana do nosso "semestre" (que na conta somou menos de 4 meses). Não tenho nem como ir pra casa no fucking natal - o que, pessoalmente falando, é algo que me corta o coração, porque fui criada numa família onde dia 25 de dezembro é igual a estar grudadinho na mamãe. Onde a alegria de dezembro é sair com ela pra fazer comprinhas, preparar coisinhas, e compartilhar a magia natalina que só nós duas entendemos como funciona.
Gente, é sério. O que eu estou fazendo aqui? O que eu fiz com a minha vida? Esse sonho absurdo de estudar psicologia e fazer alguma coisa boa nesse mundo tá valendo a pena? Honestamente.



Só digo o seguinte: cansei. Cansei desse povo hipócrita que fala bonito na hora de fazer cadeiraço, mas quando a coisa aperta quer "se formar logo". Desses amiguinhos que colocam a boca no mundo pra dizer que a formação está sendo prejudicada, mas vai na reunião da congregação e concorda com um calendário desses. Desse povo que, ai, ta nem aí pra nada. E reelege o nosso ilustre governador, que já avisou que o repasse de verba pro próximo ano é menor, ou seja: greve em Maio, de novo.
Sério. Qual o sentido?

Marcadores: ,


By Shana • quarta-feira, 8 de outubro de 2014 • 7 ComentáriosLink to this post

Causos de psicólogo
Que é senso comum no mundo que psicólogo lê a mente alheia e resolve seus problemas em questão de minutos, todo mundo sabe. Isso não é verdade nem de longe (bem queria eu vasculhar os pensamentos daquele boy magia), mas também não impede que as pessoas usem e abusem da nossa boa vontade. E dizer que você ainda é estudante de graduação e não manja nada de nada não quer dizer muita coisa também. Pois bem, tá na hora de tocar o terror.
Bom, eu estava lendo esses dias a um post do blog da Thay, e ela estava ali compartilhando uns momentos cômicos do dia-a-dia no escritório onde ela trabalha, e aí pensei: por que não?  E daí cá estou eu. Apesar de só estar no meio da minha graduação, já passei por poucas e boas, e achei que ia ser divertido compartilhar algumas das minhas histórias de boteco com vocês, além de algumas situações corriqueiras que todo estudante de psico/psicólogo já teve a oportunidade de passar.


Silêncio Total
Não sei se vocês já tentaram, mas se quiserem que um ambiente descontraído entre em completo silêncio, é só dizer que tem um psicólogo no recinto. Nem precisa ter diploma: todo mundo fecha a boca como se fosse questão de vida ou morte. Se você não entendeu, é só ler de novo o trecho acima sobre "ler mentes" e "analisar pessoas" que fica bem claro. Aconteceu comigo uma série de vezes, a primeira quando fui encontrar com os colegas do ensino médio e chegamos naquele momento do "mas e aí, o que você foi fazer depois da escola?" e eu disse que cursava psicologia. Passado um minuto de silêncio na mesa, mencionei que ainda não tinha aprendido a fazer análises e, misteriosamente, o assunto voltou a rolar solto.
Sério, gente. Você já viu um arquiteto ou professor opinando na planta da sua casa ou na educação dos seus filhos num almoço em família? Não? Pois é, e não vou te analisar, meu bem. A menos que você me pague. Aí a história é outra.
... Mas na verdade nem assim, porque é anti-ético trabalhar com alguém que você conhece previamente. Ou seja: não vou te analisar nem que você me pague. Relaxe.


Terapia de Busão
Certa vez, quando eu ainda morava na casa da minha avó - ou seja, longe da faculdade -, eu estava sentada no ônibus quando, por algum motivo x que me foge da memória, uma moça, que deveria ser no máximo uns 3 ou 4 anos mais velha que eu, puxou conversa. Comentou que estava voltando da faculdade e perguntou se eu também, e aí sempre rola o famoso "Mas então, o que você faz?" e eu, inocente e honesta como uma criancinha, respondi que estudava psicologia.
Batata.
A moça pulou do banco dela e sentou do meu lado, e começou a sessão de terapia - lembrando que eu estava totalmente despreparada. Ela me contou que tinha engravidado de um namorado, mas acabou não dando certo. Mas como a família a apoiou muito, ela não largou os estudos e queria se formar pra tem um bom emprego e dar uma boa vida pra filhinha, que se não me engano chamava Rafaela. Foi coisa assim, de 30min. Pra ser honesta eu não disse quase nada, mas parecia que ela precisava contar pra alguém e saiu do ônibus super feliz e aliviada. Então ok, né. Contei na lista como minha "boa ação do dia".

Terapia Relâmpago
Bom, esse é uma versão da anterior. Uma vez eu "atendi" uma adolescente enquanto estávamos na fila pra nos matricularmos nos cursos de idiomas oferecidos pela faculdade. Começou uma uma reclamação da demora, e de repente ela tinha me contato toda a vida dela, sobre os problemas em se relacionar com os colegas, porque ela gostava de fazer cosplay, pintava o cabelo e coisas assim - umas verdadeiras atrocidades numa cidadezinha do interior como a nossa. Mas aí era a minha vez de me inscrever e a gente se separou - daí nunca mais a vi. Taí uma sessão de terapia estilo Flash, hm?
Uma outra situação foi quando estava no terminal de ônibus esperando o circular chegar. Uma moça que trabalhava na enfermagem de um hospital na cidade começou reclamando que tinha tirando o ônibus das 20h20, e que ela ia chegar atrasada pra segunda aula na faculdade. Daí começamos a falar de psicologia, de atendimento humanizado, e entre desabafos e troca de experiências, ela terminou me dizendo pra pegar o telefone dela e ir tomar chá na casa dela um dia desses. Também nunca mais a vi, mas enfim, né?

"Olha a boca!"
Certa vez, numa escolinha onde trabalhei, eu estava na sala dos professores tomando um chá, enquanto minha turma estava no intervalo, e surgiu algum comentário bobo/maldoso, no qual eu mal prestei atenção e até esqueci. Só ouvi a parte em que uma professora olhou pra outra e soltou "Fica quieta, menina! Olha a psicóloga aqui vigiando a gente, e você falando essas coisas!"
Moça. Tô saboreando meu chá, com licença. E você não está me pagando, então...


"Ai, mas o que você acha?"
Já perdi a conta de causos desse tipo, mas sempre acontece. Sempre que você fala que tem alguma relação com a psicologia, é quase instantâneo: ai, mas eu enho um filho/sobrinho/primo/amigo/parente/cachorro que faz tal e tal coisa, você acha que é caso de psicólogo? Mas o que você acha, assim, que eu posso fazer?
Sei lá, moça. Nunca vi o indivíduo, como vou saber?
Aí preciso fazer um esclarecimento: gente, só dá pra ter uma ideia de qualquer coisa depois de muitas conversas com o dito indivíduo. Não adianta você me falar que o teu filho não sabe fazer conta de matemática e me pedir conselho, porque se não rolar um bate-papo no mano-a-mano, nada feito. E lembrando: não tô sendo paga pra isso.

"Vai ter desconto pra família, né?"
Essa é cráááássica, né não? Pois é. Isso é de pouco conhecimento do senso comum, mas não se pode atender uma pessoa que você conheceu previamente de alguma forma. É considerado anti-ético e traz vários prejuízos pro processo terapêutico, então a gente tem meio que uma regra sobre isso. Lembrando que os psicólogos têm um Código de Ética, e tudo o que é considerado "anti-ético" você pode entender como se fosse "contra a lei", em termos de comparação.
Ou seja: sem desconto, sem terapia, sem nada, jovens. O máximo que posso te fazer é passar o telefone do meu colega, e o resto é com você.


Brincadeiras à parte, é senso comum entre o pessoal da psico que nosso ouvido não é pinico, então todo mundo faça o favor de nos tratar com muito amor e carinho, porque também somos gente e temos muito amor pra dar ♥ e isso, obviamente, não significa que vou te dar uma sessão de terapia de grátis por conta do meu coração grade, perceba. Mas, no fim, acho que toda profissão tem suas histórias e causos dos mais divertidos aos mais malucos. E vocês, leitores? Têm aí algum causo pra compartilhar? Ou a vida de vocês é menos fantástica do que a minha? hahaha!
Um beijo a todos e até a próxima, queridos!

Marcadores: , , ,


By Shana • quinta-feira, 2 de outubro de 2014 • 7 ComentáriosLink to this post


«older newer»